/ NOSSAS AÇÕES

Conheça nossas ações e participações em eventos.

/ XV Seminário LGBT do Congresso Nacional.

 

O evento organizado pela Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados contou com a participação dos movimentos sociais de todos país.

 

Durante todo o evento foram destacadas as dificuldade de participação social frente um cenário de desmontes das políticas de direitos humanos após a ruptura institucional ocorrida no país.

 

Políticos presentes destacaram a preocupação em não haver eleições em 2018.


#lgbt #InstitutoPrios

Imagem 4.jpg

 

/Construindo Estratégias de Proteção com Defensores e Defensoras de Direitos Humanos em Minas Gerais

O Instituto Prios em parceria com Programa Estadual de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos de Minas Gerais realizaram nos dias 23, 24 e 25 de maio, em Belo Horizonte, a oficina "Construindo Estratégias de Proteção" com cerca de 60 defensores e defensoras de direitos humanos do estado.
 

A oficina contou com grupos quilombolas, indígenas, geraizeiros, ambientalistas, comunidades tradicionais, movimentos por moradia, movimentos por reforma agrária, entre outros.
 

Ao longo de 3 dias foram construídas estratégias de proteção para enfrentar o acirramento das ameaças e da violência contra os/as defensores e defensoras de direitos humanos.
 

O momento foi único e fortaleceu a todas e todos para árdua realidade desses defensores e defensoras de direitos humanos, com destaque para a situação das comunidades afetadas pelas empresas mineradoras, onde falta até água potável nas torneiras da população, mas não falta para a empresa.


#InstitutoPrios #DefensoresDireitosHumanos

 

Oficina DDH.jpg
Imagem 2.jpg
Imagem 3.jpg

 

 

#ParaNãoEsquecer

Massacre Eldorado Carajás

Hoje, 17 de abril de 2018 completa 22 anos do massacre ocorrido em Eldorado dos Carajás no Pará onde 21 trabalhadores sem-terra, na Curva do S, trecho da rodovia PA-275, no sul do Pará, foram brutalmente assassinados por policiais militares do estado.

 

Eram mais de 1,5 mil pessoas organizadas pelo Movimento dos Sem-Terra (MST) marchando do Assentamento Palmares, no sul do Pará, em direção a Belém, para reivindicar assistência ao Assentamento e a desapropriação da Fazenda Macaxeira, ocupada desde 1995, em Eldorado dos Carajás. No sétimo dia, homens, mulheres e crianças ocuparam a rodovia exigindo do governo do estado (Almir Gabriel - PSDB) alimento e transporte para completar o percurso.

 

No lugar dos 50 ônibus prometidos, o governador e o então Secretário de Segurança Pública, Paulo Sette, enviaram uma operação com mais de 155 policiais para liberar a rodovia, que se transformou em uma chacina, com 21 trabalhadores assassinados e 69 feridos. Muitos deles foram mortos à queima-roupa, com tiros na nuca e nas costas, contradizendo o discurso das forças de segurança de que haveria tido "confronto" com a polícia.

 

A cena do crime foi alterada com a retirada dos corpos, a ausência de identificação no fardamento dos agentes e o sumiço da cautela de armas (que identifica qual armamento foi usado pelos policiais).

 

O coronel Mário Colares Pantoja e major José Maria Oliveira foram julgados e condenados a penas de 280 e 158 anos, respectivamente. Os policiais de patentes inferiores envolvidos no massacre foram todos absolvidos por falta de provas. O governador, o Secretário de Segurança Pública e o Comandante da Polícia Militar, à época, Fabiano Lopes, foram isentados da investigação.

 

#ParaNaoEsquecer #MassacreEldoraCarajas #InstitutoPrios

Massacre Eldorado dos Carajás.png

/Trabalho Escravo

Lista suja do trabalho escravo foi publicado recentemente e traz 34 novos nomes.

 

Chama a atenção empresas que executam o Minha Casa Minha Vida, terceirizada do Rock in Rio e muitas pastelarias no Rio de Janeiro.


De acordo com o artigo 149 do Código Penal brasileiro, são elementos que caracterizam o trabalho análogo ao de escravo: condições degradantes de trabalho (incompatíveis com a dignidade humana, caracterizadas pela violação de direitos fundamentais coloquem em risco a saúde e a vida do trabalhador), jornada exaustiva (em que o trabalhador é submetido a esforço excessivo ou sobrecarga de trabalho que acarreta a danos à sua saúde ou risco de vida), trabalho forçado (manter a pessoa no serviço através de fraudes, isolamento geográfico, ameaças e violências físicas e psicológicas) e servidão por dívida (fazer o trabalhador contrair ilegalmente um débito e prendê-lo a ele). Os elementos podem vir juntos ou isoladamente. (Fonte: Repórter Brasil)

 

Acesse a lista completa clicando aqui.
 

#TrabalhoEscravo #listasuja #InstitutoPrios

 

 

/Ler te Liberta

Quer ajudar? Funcionárias do presídio feminino de Brasília estão arrecadando livros para a biblioteca da instituição e o Instituo Prios está colaborando na arrecadação e divulgação.

 

Para ajudar é fácil, basta pegar aquele livro esquecido no fundo do armário e levar até um dos pontos de arrecadação e/ou compartilhar esta publicação.

 

Ah, não vale livros didáticos, para concurso ou capa dura.

 

Ficou com dúvida? Fale com a gente.
#LerLiberta #InstitutoPrios

 

imagem 5.png

 

nosso endereço

 

CNB 02, lote 5, 603 – Taguatingua

Brasília/DF

CEP: 72.115-025

 

contate-nos

 

prios@prios.org.br